Plano para fazer Campina crescer

[-] Texto [+]
25/03/2017 | Correio da Paraíba
Região Metropolitana. Plano estratégico também insere nas ações Lagoa Seca, Massaranduba Fagundes, Queimados e Boa Vista
Estratégia. Propostas pretendem dobrar renda per capita e incluir a cidade no ranking das 20 maiores do Brasil

Dobrar a renda per capita, superar o racionamento de água, ampliar a cidade universitária e entrar no ranking das 20 cidades mais empreendedoras. Estas são algumas das 35 metas do Plano Estratégico de Desenvolvimento de Campina Grande 2035, apresentado ontem em uma sessão especial  da Câmara Municipal,na sede da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (Fiep).

O plano abrange outras cinco cidades da região metropolitana (Lagoa Seca, Massaranduba, Fagundes, Queimadas e Boa Vista) que terão suas realidades impactadas e cinco áreas fundamentais em que o município poderá explorar potencialidades e superar as defi ciências.

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), destacou a importância de se planejar uma cidade a longo prazo. "Quando não se tem um planejamento, se acaba andando em círculos e voltando para o mesmo local. Sabe-se que quem planejou, acertou mais e os grandes desafios dos municípiosbrasileiros hoje é que temos muito menos recursos e uma sociedade muito mais exigente", afirmou.

Projeto é ambicioso

Para o economista e consultor Claudio Porto, que liderou uma equipe na elaboração do plano, 'Campina Grande 2035' é um projeto ambicioso, mas viável. "A questão é aproveitar o máximo as potencialidades que temos, porque podemos em vinte anos nos tornar uma cidade duas vezes mais rica e três vezes menos pobre, alcançando um nível de qualidade de vida de alto padrão", explicou.

Ele citou os principais desafios a longo prazo do plano, e medidas mais urgentes a serem aplicadas. "Um desafio fundamental é dobrar a renda per capita, que vai exigir muito esforço público e, sobretudo, do setor privado, que é quem gera mais empregos, mais impostos, mas é possível fazer isso. Maringá foi um município que dobrou a renda per capita em vinte anos e nós podemos ter isso, pois temos  potencialidades que nos permitem isso.Há também dois problemas que se precisa resolver de forma rápida que são a questão hídrica e a redução da criminalidade. É importante, urgente, e para se fazer a partir de agora", destacou.

Acompanhamento

O presidente do Comitê Gestor do Plano, Renato Lago, afirmou que um observatório foi criado para acompanhar o desenvolvimento de todas as ações. "Resolvemos otimizar as classes produtoras da cidade de forma que nós não precisamos usar recursos públicos nem do município, nem do Estado. O plano foi gerido e financiado pela iniciativa privada. Nesse momento entregamos o plano com metas ousadas a serem cumpridas e estamos criando um observatório que ao longo dos vinte anos irá acompanhar, fiscalizar e cobrar que essas diretrizes do plano sejam cumpridas", pontuou.
Propostas a serem seguidas

Cidade dinâmica

1 - Tornar-se umas das 20 cidades mais empreendedoras do Brasil (Ranking Endeavor).

2 - Dobrar a quantidade de vagas da rede universitária (público-privado).

3 - Dobrar o total de procedimentos de média e alta complexidade em saúde (público-privado).

4 - Desenvolver o segmento dos serviços avançados: pelo menos 22% dos empregos e 17% das empresas da cidade.

5 - Contribuir com pelo menos 4% da produção Industrial do Nordeste.

6 - Desenvolver o setor de logística e transportes: mínimo de 3% dos empregos e 2,5% das empresas do Nordeste.

7 - Desenvolver os segmentos atacadista e varejista: mínimo de 21% dos empregos e 18% das empresas da Paraíba.

 

Cidade saudável e do bem viver

8 - Superar a vulnerabilidade hídrica: nenhum dia com interrupção no abastecimento de água por racionamento.

9 - Alcançar alto padrão de "cidade verde": total de área verde maior que 15 m² por habitante na área urbana.

10 - Elevar capacidade de tratamento de esgoto para 100%.

11 - Elevar a expectativa de vida média da população para mais de 79 anos.

12 - Reduzir a mortalidade infantil para menos de 10 a cada mil nascidos vivos.

13 - Reduzir o índice de interdições por condições sensíveis à atençãobásica (ICSAB) para menos de 16% do total de internações clínicas.

14 - Reduzir a taxa de mortes prematuras por doenças crônicas não-transmissíveis (DCNT): menos de 220 casos a cada 100 mil habitantes por ano.

15 - Reduzir a taxa de homicídios: menos de 10 casos a cada 100 mil habitantes por ano.

16 - Reduzir a taxa de óbitos no trânsito: menos de 6 casos por 100 mil habitantes por ano.

17 - Ampliar a sensação de segurança na cidade: mais 75% da população considerando a cidade segura.

 

 

Cidade organizada e funcional

18 - Garantir altos índices de mobilidade: pelo menos 73% dos deslocamentos diários casa-trabalho em menos de 30 minutos.

19 - Reduzir o défi cit habitacional relativo para 7,5%. Cidade inclusiva 20 - Reduzir drasticamente a pobreza: total de pobres menos que 5% da população total.

21 - Sediar pelo menos 4 eventos de projeção nacional a cada ano.

22 - Efetivar a cobertura pré-escola: 100% da população entre 4 e 5 anos.

23 - Ampliar a cobertura de creches: mais de 75% da população entre 0 e 3 anos.

24 - Alavancar a qualidade da educação pública no município: nota maior que 8 no IDEB da rede pública total do Ensino Fundamental I.

25 - Alavancar a qualidade daeducação pública no município: nota maior que 7 no IDEB da rede pública total do Ensino Fundamental II.

26 - Reduzir para menos de 13% a proporção de jovens que nem estudam nem trabalham e são vulneráveis à pobreza.

27 - Reduzir drasticamente a desigualdade social (renda) na cidade: Coefi ciente de Gini menos que 0,39. Cidade competente e inovadora

28 - Tornar-se uma das 50 cidades mais ?inteligentes? do Brasil.

29 - Atingir nota mínima de 0,80 no índice Firjan de Gestão Fiscal.

30 - Alcançar patamar mínimo de 70% dos cargos comissionados ocupados por servidores públicos municipais.

31 - Garantir altos índices de transparência: nota 10 em indicadores que avaliem a transparência (ativa e

passiva).

32 - Efetivar elevado padrão de controle social: existência de entidade da sociedade civil com efetivo engajamento na fi scalização das contas públicas do município.

33 - Garantir a existência de orçamento participativo com elevado grau de efi cácia: mínimo de 80% de

emprenho da execução orçamentária prevista.

34 - Efetivar forte cultura de engajamento social. Movimento de voluntariado consolidado na cidade: mínimo de 20 mil voluntários por ano.

35 - Alcançar e manter um patamar mínimo de 80% de aprovação e confiança nas instituições municipais.