Estudo do Ipea sobre taxa de homicídio confirma dados do DGM

[-] Texto [+]
06/06/2017 | Macroplan
Segundo estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a taxa de homicídios aumentou 10,6% no Brasil, entre os anos de 2005 e 2015. A análise mostra que as regiões Norte e Nordeste tiveram a maior variação no período, enquanto São Paulo concentra a menor variação percentual. Os dados vão ao encontro da análise realizada pela Macroplan, no estudo Desafios da Gestão Municipal - que usou as taxas de homicídios e de óbitos em acidentes de trânsito para gerar um indicador sintético de Segurança das 100 maiores cidades do país, o IDGM.

A atualização do IDGM Segurança com os dados de 2015 indica uma melhora dos municípios de São Paulo no grupo dos 25 melhores, o Estado passou de 19 para 22 representantes - a capital ganhou 4 posições entre 2014 e 2015, alcançando a 9ª posição. Por outro lado, Niterói (RJ), que ocupava em 2014 a 15ª posição, caiu 32 posições em 2015 alcançando a 47ª posição. O número de capitais entre os 25 piores passou de 10 para 12, destaque para as capitais da região Norte que entraram no grupo: Manaus, Porto Velho e Palmas.

A região Sul continua sendo a única que não possui nenhum município entre os 25 piores. Canoas (RS), na 70ª posição, é o município com a pior colocação da região.

Entre os maiores avanços em posições no ranking do IDGM segurança entre 2014 e 2015 destacam-se: Feira de Santana-BA (25 posições de 2014 para 2015); Belford Roxo-RJ (24 posições); Vitória-BA (19 posições); Sorocaba-SP (16 posições) e Duque de Caxias-RJ (16 posições). Das cidades que mais perderam posições: Niterói-RJ (32); Caruaru - BA (26) e Pelotas-RS (23).

O estudo também analisou os 100 maiores municípios do Brasil em outras três áreas: Educação e Cultura, Saúde e Saneamento e Sustentabilidade. A análise gerou um ranking geral das cidades e rankings por área analisada. Acesse macroplan.com.br/dgm para mais informações sobre o estudo.